sábado, 26 de janeiro de 2013

Voando com o Tempo

E aí está você... sentado daquele mesmo jeito, naquele mesmo lugar e o com aquele mesmo pensamento de antes. Você não mudou nadinha. E é por isso que está aqui. E eu também, principalmente.
Pois é, meus queridos leitores, depois de quinhentos anos sumida, resolvi aparecer para dar o ar da minha graça aqui na TDN. A verdade é que fiquei sem tempo para postar. Sério mesmo. E como eu tenho o estranho hábito e frescura de só escrever quando estou sozinha em casa, fui deixando pra mais tarde, pra amanhã, pra outro dia e pra nunca mais.
Uma vez eu li que o fim de um blog é quando você começa a postar a sua vida pessoal nele - e eu tenho quase certeza absoluta de que eu já escrevi sobre isso aqui antes. Enfim... Resolvendo encarar os fatos, percebi que não é justo deixar tão abandonado, algo que me encorajou e me fez perceber quem realmente sou. Por isso, eu prometo que não vou passar tanto tempo sem escrever! :)
Afinal, quem já conhece este blog e/ou a blogueira que vos escreve sabe: eu não sei viver sem escrever e principalmente, sem o meu porto seguro: o meu blog.
Caramba, de repente a gente para, pensa e percebe que o tempo voa mesmo e que essa não é só uma frase comum. E pra onde ir? A verdade mesmo, é que estamos voando com ele, sem saber pra onde ou pra quê.
E de tantas coisas escritas, palavras ditas, dias e noites passados... nada de novo aconteceu. E parece que tudo simplesmente continua  do mesmo jeito, onde sempre esteve, onde sempre deveria estar. O problema é que você não continua o mesmo, cresceu e mudou. Vai ver, até você pode estar onde não deveria. 
Você percebe que se tornou "velho" quando encontra aquela professora sua, que você jamais achou que se esqueceria de você, porque você jamais vai esquece-la (escola, que saudades da escola!) e de repente quando você diz "Oi, lembra de mim? Fui sua aluna" e tudo o que você ouve é "Verdade? Em qual escola?". É, caras crianças grandes, a professorinha não se lembra mais de você. E isso já faz algum tempo...
O tempo é mesmo contraditório: nos faz esquecer de certas coisas que não queríamos jamais ter esquecido e por outro lado, entope nossas mentes com lembranças que não queríamos mais ter. Engraçado, não? 
E enquanto o tempo passa, vamos continuar a voar com ele.
Isso não tem como disfarçar ou encobrir.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Sonho pequeno


Na noite passada eu sonhei que estava carregando um bebê. Era um menino. Ele era meu. Meu bebê. E ele era tão pequenininho! Lindo e perfeito. E  eu era tão feliz...
Pena que foi só um sonho. Mas um dia eu vou tê-lo em meus braços.
Ele era tão pequenininho.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...