segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

O amor é isso... e outras coisas

Me lembro de quando eu tinha 13 anos de idade e ficava contando os dias para chegar logo sexta-feira, só para vê-lo, embora "só ver" já me bastasse, eu sempre desejava mais (e ele também) - porém, isso nunca aconteceu, não naquela época. Me lembro de conversas bobas, jogos de video game e de sonhar com coisas que nunca aconteceram, mas um dia as coisas começaram a acontecer, pena que não foi da maneira como ambos desejávamos, demorou (bastante), mas... aconteceu. É incrível a forma como algumas pessoas reagem ao amor, sendo seu ou não, ás vezes tem gente que mete o nariz onde não é chamado.
Me lembro de já ter escrito um post onde eu dizia que o amor não é clichê e não é mesmo, a minha teoria sobre isso continua, os meus pensamentos sobre esse sentimento ainda são os mesmos, a unica diferença é que aprendi que o amor não acontece apenas um vez na vida, é constante, acredito ser um "estado de espírito", é infinito, acontece o tempo todo, de várias maneiras diferentes, desde o sentimento pelo seu cachorrinho ao seu namorado. Algo que acontece hoje e sempre. É incessável e, na maioria das vezes, doloroso e com certeza, compensador. Amar é isso, é todo esse sentimento que envolve tantos outros e que nos deixa sem sentido.
Um dia você acorda e percebe que sente saudades de um tempo, de uma pessoa e percebe que sem essa pessoa você não conseguirá mais viver. Profundo e um pouco exagerado, talvez, mas é a verdade. Então, você decide deixar o amor acontecer e não poderia ser melhor, sua vida está prestes a começar a fazer sentido de verdade, porque você entrará para sempre no seu "estado de espírito" favorito: o de estar apaixonada, apaixonada por alguém, por um sentimento, algo verdadeiro, por uma lembrança e um desejo. A vida é feita para se apaixonar.
E quando você se dá conta, o tempo passou, as coisas deram certo - outras não - entretanto, o amor é isso, você sabe, não é cem por cento "bom", escrevo bom com aspas porque não me refiro ao amor não ser literalmente bom, ele apenas não é sempre bom. Assim como tudo na vida e como os estados de espírito, ele muda: uma hora você está triste, outra hora alegre e outra hora, bem, na verdade, sempre apaixonado.
O amor é isso é outras coisas, é esse sentimento maravilhoso que você conhece e são todas as coisas maravilhosas que veem com ele.
O amor é ótimo e estar apaixonado, é melhor ainda.

(Para THAYNAN - obrigada pelos 2 anos de namoro, pelos 6 anos de amizade e por ser o meu "estado de espírito" favorito desde os meus 13 anos de idade.)

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Out from under


Expiro você, respiro você...
Você fica voltando para me dizer
Que você é o único que poderia ter sido
E os meus olhos vêem isso tão claro,
Isto foi há muito tempo e muito longe,
Mas nunca despareceu.
Eu tento pôr isto no passado,
Se segure em mim e não olhe para trás...
Eu não quero sonhar com
Todas as coisas que nunca existiram,
Talvez eu possa viver sem isto
Quando eu sair debaixo.
Eu não quero sentir a dor,
Que bem isso me faria agora?
Eu entenderei tudo,
Quando eu sair debaixo...
Debaixo, debaixo, debaixo...
Então me deixe ir, só me deixe voar por aí,
Me deixe sentir o espaço entre nós crescer profundamente
E mais escuro a cada dia.
Me olhe agora e eu serei uma nova pessoa,
Meu coração estará inquebrável,
Ele estará aberto a todos, menos a você.
Mesmo quando eu cruzar a linha,
É como uma mentira que eu contei milhares de vezes.
Eu não quero sonhar com
Todas as coisas que nunca existiram,
Talvez eu possa viver sem isto,
Quando eu sair debaixo.
Eu não quero sentir a dor,
Que bem isso me faria agora?
Eu entenderei tudo,
Quando eu sair debaixo...
Debaixo, debaixo, debaixo...
E uma parte de mim ainda acredita,
Quando você diz que ficará por perto
E uma parte de mim ainda acredita,
Que podemos encontrar uma maneira de resolver isto,
Mas eu sei que tentamos tudo que podíamos tentar.
Portanto, vamos somente dizer adeus, para sempre...
Eu não quero sonhar com
Todas as coisas que nunca existiram,
Talvez eu possa viver sem isto,
Quando eu sair debaixo.
Eu não quero sentir a dor,
Que bem isso me faria agora?
Eu entenderei tudo,
Quando eu sair debaixo.
Eu não quero sonhar com
Todas as coisas que nunca existiram,
Talvez eu possa viver sem isto,
Quando eu sair debaixo.
Eu não quero sentir a dor,
Que bem isso me faria agora?
Eu entenderei tudo,
Quando eu sair debaixo...
Quando eu sair debaixo...

(Britney Spears)

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Sem título, sem imagem e sem padrão

Fica difícil quando as coisas já não são mais como foram um dia, quando tudo o que você conhecia, tornou-se desconhecido. Você acha que sabe o bastante, mas percebe que já não tem mais idéias e que tudo do qual você tinha tanta certeza, tornou-se repetitivo...
Hoje eu não vou escrever sobre memes de blogs e/ou blogueiros, nem sobre coisas do dia a dia, ou baboseiras de adolescentes em crise ou de "quem" está entrando na vida adulta. Não vou postar a letra de uma música, nem nada do que eu sempre venho escrever aqui. Hoje vai ser diferente. 
Estou aqui para raciocinar, para fazer uma profunda reflexão e tentar entender tudo o que está (de fato) acontecendo comigo e com a TDN. Daqui há seis meses, meu blog completará 3 anos e eu, 20 anos. Pois é, o tempo passa muito rápido! E o que eu conquistei durante todos esses anos? E o meu blog, onde eu consegui chegar com ele? Tornei esse "mais um blog na internet" o meu mundinho fechado, onde eu faço/digo/penso o que eu quero, da maneira que eu esperava que conseguiria? Cheguei onde eu queria, ou melhor, conquistei o que eu queria?
Tempo de "vida vivida" eu já tenho, todavia, que dirá a qualificação? Em uma hora como essa, ser mais velha, ou ter um pouco mais de experiência não ajuda em absolutamente NADA. Ou você é, ou não é. E eu sou? Veja bem, é uma pergunta sem resposta.
Durante uma entrevista de emprego, a gerente me perguntou com qual animal eu me identificava (metaforicamente falando) e por quê. A minha repentina vontade foi de responder "Um rato, porque sou medrosa", mas sabia que se respondesse isso jamais conseguiria a vaga, então respirei fundo, pensei bem (isso tudo durou cerca de trinta segundos) e disse "Um pássaro, porque os pássaros são livres para ir e fazer o que quiserem e eu também sou livre". Na verdade, não foram bem essas palavras que eu usei, entretanto, deu para entender, né?  Mas tem mais uma coisa, eu menti. Eu não sou livre, eu tenho o DESEJO de ser - e isso é bem diferente. E acabei descobrindo que... é isso! Era isso o que eu buscava durante todo esse tempo! É esse o propósito da Terra de Ninguém: ser livre. Ok, isso eu e todos vocês já sabemos, mas agora é diferente, porque agora eu tenho a certeza que essa liberdade realmente existe.
Acho que eu já consegui, conquistei esse pouco de liberdade que eu tanto busquei, afinal, agora (e desde que criei este blog) escrevo aquilo que eu quero.
No final das contas, consegui a vaga de emprego e descobri outra coisa: mesmo me sentindo como um rato medroso, sei que sou como um pássaro: livre para ir onde eu quero.
E para onde eu vou, não há nada nem ninguém que me impeça, pois eu vou para um lugar que não é necessário passagem, muito menos permissão. Eu vou para um lugar que eu mesma criei, vou para a minha Terra de Ninguém.

E você, com qual animal se identifica metaforicamente? 
Aquele beijo e até a próxima :)

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Fracasso

Isso sim é uma reflexão para iniciar um novo ano: repensar no que foi feito e tentar não errar novamente no novo ano que chegou.
Um triste primeiro post para início de ano, mas a realidade cruel de quem pensou que iria conseguir e acabou derrotado pela mentira e pelo desprezo. Mas a vida é isso: você sonha, acredita, confia e, no fim das contas, se perde sem saber se o que fez foi certo ou errado. Mas você fez e é isso o que importa. Isso te deixa satisfeito - pelo menos houve um ato de coragem e ousadia. 
Entretanto, você pensa e percebe que não consegue chegar a uma conclusão sequer... Era isso mesmo o que você queria? E agora, o que acontecerá? Ninguém sabe. E isso te deixa agoniado. Você conhece bem essa sensação, já sentiu isso antes, mas não achou realmente que as coisas sairiam de controle de tal forma, a ponto de não conseguir encontrá-las mais. Onde elas foram parar? Você não sabe porque também está perdido.
O erro é um fator que está gravado no DNA do ser humano, ele existe e nada nesse mundo vai fazer com que ele deixe de existir. É persistente e incontrolável. Você gostaria de poder fazer somente as coisas certas, mas não sabe como fugir das coisas erradas. É uma luta constante da qual ninguém quer participar. O jeito é aprender a viver com ele, tentando saber distinguir o certo do errado. Tentando viver, do jeito certo.
Até agora as coisas parecem estar perdidas, você se sente inútil; um verdadeiro fracasso. Não dá para fugir de algo que já aconteceu, algo que você fez. Para tudo nessa vida há uma consequência, seja ela boa ou ruim (eu já disse isso várias vezes, mas é que eu gosto de reiterar uma boa idéia). A vida é o que você faz dela, lembra? Enfim: tente não cometer o mesmo erro outra vez, afinal, você já aprendeu a lição, certo? Bem, pelo mesmo deveria ter aprendido. 
Veja onde esta reflexão nos leva: a se acostumar com os fracassos da vida, a tentar não errar e se preparar para as coisas novas que virão em 2012. 
Mais um ano começando, novas esperanças e, com certeza, novas realizações. Não perca a esperança em si próprio, você pode ter errado, mas aprendeu a lição e sabe que se fizer de novo, não será apenas um erro que foi cometido duas vezes: será burrice. E lá vai a minha dica para 2012: 

"Pense (muito) bem antes de agir. Ter coragem de realizar um ato, não é a mesma coisa do que ter sensatez para fazê-lo."
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...